Relato: Curso Extrafísico e Prática de Passe

Olá e seja muito bem vindo!

Gostaria de iniciar este post pedindo perdão a todos os seguidores do blog, pois devido a uma crise na manutenção da minha espiritualidade e um pouco de falta de tempo, fiquei muitos meses sem postar nada, como já mencionamos aqui em posts anteriores, sempre queremos estar próximos da Luz, mas nossa condição humana às vezes nos afasta daquilo que mais amamos.

Este post é dedicado a documentar uma reunião extrafísica ocorrida há meses atrás, durante uma projeção da consciência*. Este post é particularmente importante pois esse relato se trata de um curso que ocorreu e que aparentemente era de tamanha importância que não só estavam lá muitos trabalhadores encarnados que conhecemos, mas também muitos deles desta vez, o que é muito raro, se lembraram do ocorrido e conseguimos trocar informações e confirmações e detalhes. O que eu farei neste post será separá-lo em duas sessões, onde uma será dedicada ao relato e a outra será dedicada a explicar com o máximo de detalhes de conseguir, a técnica de passe energético que nos foi passada, espero que aproveitem!

O RELATO

Tomei a minha consciência já em um salão muito grande, com espaço para muitas pessoas, o local parecia um galpão com as paredes brancas e colunas quadradas que se extendiam até o teto, também brancas. Em toda a volta e até mesmo decorando as colunas, plantas de toda a sorte se espalhavam pelo local, algumas com flores coloridas, mas a predominância era mesmo do verde, várias delas pareciam trepadeiras e se extendiam para cima, eu não sei dizer se chegavam ao teto pois eu não vi.

O local estava cheio de estudantes, uma palestra acabava de acontecer ali, mas ela mesma eu não me lembro, de qualquer forma o que eu tinha certeza era que naquele momento estava na hora de uma prova prática do que havíamos acabado de aprender, daríamos passes em pessoas necessitadas. A aula fora em estilo workshop, então logo após a palestra, guias nos encaminharam até o que pareciam bancos de praça de madeira, um pouco mais elevado, algo parecido com uma cama de estrado sem o colchão.

Me levando o guia até a posição correta da nossa prática, pelas grandes portas que davam acesso a esse amplo salão, passou a entrar uma multidão de pessoas que tinham aparências horríveis**, com deformações graves principalmente nos rostos, mas se espalhavam por todo o corpo, elas vestiam roupas rasgadas e sujas, seus olhos eram escurecidos, uma sombra os cobria, eles por sua vez pareciam tristes e passivos, levemente anestesiados, obedientemente cada um deles chegou a suas devidas macas e serenamente se deitaram.

Era hora do trabalho se iniciar, o guia que me acompanhava, pegou na minha mão como se chamasse a atenção de uma criança que não prestava atenção, confesso que ainda não estava totalmente consciente na hora e ainda estava impressionado com as pessoas que entraram no recinto, passou então a me instruir a sequência do passe. “Mãos logo acima da testa dele, isso, agora assopra… isso… faz de novo… tá vendo o que está acontecendo?” – repetia ele várias vezes garantindo que eu prestava atenção.

Ficamos vários minutos fazendo isso em nosso paciente até que, como que em um passe de mágica, suas feições começaram a suavizar, seus olhos começaram a clarear levemente. Meu passe pareceu não ser forte o suficiente para retirar toda a má influência que gerava essa imagem desagradável no rosto do nosso paciente, mas certamente havia ficado muito melhor! Enquanto seguia com o passe, o paciente tomou consciência e demonstrando gratidão se levantou e me abraçou. O abraço no entanto me desestabilizou, pois uma grande quantidade de energia pareceu ter sido transferiada a ele no momento do abraço e com o choque, acabei por ser tragado novamente ao meu corpo onde acordei com o meu coração pulsando fortemente, dada a impressão de ter participado de uma corrida.

Meu olhos marearam ao perceber que consegui me lembrar do que havia ocorrido, agradeci em oração ao meus guias, pedindo para que houvessem novas oportunidades!

O PASSE

Este passe é baseado em Pranayama***, você pode ler um pouco sobre isso [aqui].

Preparo

O passe energético é o ato de fornecer uma energia a outra pessoa necessitada, queremos sempre passar uma energia boa e isso não é possível se o passista em si não estiver bem, circundado de energias ruins, logo, antes de qualquer técnica de passe, é importante que o praticante busque estabilizar suas energias, da forma que ele acredita se sintonizar melhor, tem gente que prefere rezar alguns “Pai Nosso”, tem getne que prefere se recolher em um canto e fazer uma oração mais pessoal, tem gente que gosta de entoar ou ouvir alguns mantras, cantar pontos, seja o que for, procure estar bem antes de seguir.

Nós possuímos nossa energia vital que pulsa de nossos chacras, mas ela é nossa e se tentarmos passar nossa energia sem estar ligado a algo maior, podemos melhorar o nosso paciente e piorar nossa própria situação, então é importante estar ligado ao Alto no momento do passe, as técnicas mencionadas acima para limpeza da própria energia em si também nos permite essa ligação, eu pessoalmente gosto também de fazer uma prece a meus guias e solicitar autorização e auxílio para o passe, mas o passista deve procurar a melhor forma a qual ele se identifique melhor para a execução.

Execução

Posicione o paciente em posição confortável, nos ensinaram com o paciente deitado, mas sentado ou em pé também se mostrou eficiente nas nossas práticas. A técnica apresentada foi indicada para casos intensos de concentração de energia densa e deve ser usada com atneção, pois ela exigirá envolvimento direto com a energia negativa/densa do paciente, após esta prática, é recomendando um processo de limpeza do praticante na sequência, as técncias mencionadas acima de preparação também são indicadas. Este passe se divide em duas partes:

Parte 1: Remoção de energias densas

Começando da testa do paciente mantendo uma distância dele de cerca de dois palmos, levante suas mãos na altura da sua boca, as deixando as palmas viradas ao paciente, uma de cada lado da sua boca, inspire, mentalizando como se sugasse dele as energias ruins. Com o pulmão cheio, vire o rosto para longe do paciente e expire essa energia ruim, utilize as mão em um movimente de empurrar, como se quisesse afastar essa energia para longe. Repita essa operação várias vezes, sempre de cima para baixo no paciente até mais ou menos a altura do estômago, suas mão no entando podem descer delineando o corpo do paciente até mais para baixo enquanto inspira.

Parte 2: Aplicação de energia do Alto

Estenda seus braços para o alto, com as mãos espalmadas para cima, mentalizando uma grande coluna de luz dourada lhe banhando, inspire, trazendo essa luz para os seus pulmões e para dentro do seu corpo através do Prana****, mentalize que esta energia tabém é enviada para as palmas das suas mãos.

Virando-se para o paciente, expire, num movimento parecido com o da primeira parte, com as mãos espalmadas na direção do apciente, ao lado da boca, de cima para baixo, concentrando-se no centro do corpo, no alinhamento dos chacras. mentalize a energia dourada saindo do seu corpo e sendo enviada ao paciente, mentaliza raios dessa energia sendo canalizados da sua cabeça para as suas mãos e enviados diretamente ao paciente. Repita quantas vezes cosiderar necessário.

É possível intercalar uma vez a parte um e uma vez a parte dois se considerar necessário, o praticante deve considerar o parecer mais eficiente na sua prática e sempre levar em consideração o que sua percepção lhe mostrar.

Obrigado pela leitura e aproveite a prática!

*Projeção da Consciência: Conhecida por vários nomes (Desdobramento, Viagem Espiritual, Projeção do Corpo Espiritual…) é uma ação que todos nós temos a capacidade de fazer enquanto dormimos, com suficiente prática e estudo, é possível tomar a consicência durante essas saídas e apesar de raro, algumas vezes é possível nos lembrar do ocorrido.

** Aparências Horríveis: Espiritos perturbados e com concentração de energias negativas podem plasmar rostos de formar terríveis, mal cheiro e até mesmo dar a impressão de consumo por podridão/necrose no corpo, nada disso no entanto é real ou permanente, são somente sintomas da energia negativa e não deve impedir o praticante de seguir com seu trabalho.

*** Pranayama: Pode ser definido como o conhecimento e o controle do Prana. Os exercícios de controle do Prana são geralmente exercícios de respiração e controle dela.

**** Parana: É a energia que foi descrita nos Upanishads* como a energia cósmica vital, assim mencionado na tradução de Swami Paramananda:

“O que quer que exista no universo é envolvido em Prâna e vibra em Prâna. Este é um terror poderoso , como um grande trovão. Aquele que O conhece, torna-se imortal.”


– Upanishads (6, 2)

Tradução livre do Inglês, a partir da tradução de Swami Paramananda

A Escuridão nada pode contra a Luz. Mas isso não a impede de tentar.

Estudando as ciências espirituais, por assim dizer, ao mesmo tempo em que é libertador quanto a dogmas e medos que assombram a nossa condição corpórea por nos abrir os olhos a tantas outras dimensões, condições de vida consciente e caminhos a seguir em nossa eterna evolução, pode também nos abrir os olhos a lados da espiritualidade os quais preferíamos que não existissem e que, em princípio pode nos causar medo ou até, o que é igualmente grave, o fascínio por este lado obscuro.

Ao mesmo tempo em que é reconfortante absorver e ter o conhecimento vibrando em nossos corações de que o tempo todo, incontáveis trabalhadores espirituais esforçam-se incansavelmente em seus trabalhos a favor da Luz Divina e do esclarecimento de tanto nós encarnados, presos em nossas pequenas bolhas de preocupações carnais, quanto de espíritos desencarnados, perdidos no caminho de sua evolução, o universo, dual como nós o conhecemos, abriga também uma horda gigantesca de espíritos conscientes que prendem-se às energias densas do ódio, da vingança e tantos outros sentimentos que apagam a luz em seus chacras e os enchem de barreiras negras como piche, viscosas, densas e que impregnam cada vez mais com o tempo, tornando sua limpeza cada vez mais complexa.

Apesar de sabermos que os trabalhos da escuridão não são capazes de sobrepujar as energias reconfortantes da Luz, nós em nossa condição carnal, não conseguimos estar sintonizados com o Divino o tempo todo e nossas distrações acabam por nos tornar alvos de ataques daqueles que, ao perceber nossa constante caminhada em direção do esclarecimento espiritual, trabalharão duro em nos ver tropeçar e, conscientes como são do poder das energias geradas do pensamento assim como livres de tarefas rotineiras que nós encarnados temos de cumprir, sempre irão buscar brechas em nossos estados vibratórios para o ataque.

Esta introdução servirá para que você possa se situar no que me aconteceu há poucas noites atrás, de forma que veja como os dois lados estão sempre em intenso trabalho e como realmente a escuridão nada pode com o poder da Luz.

O Acontecido

Ultimamente tenho dedicado meus estudos em como durante as minhas projeções conscientes, as quais vários episódios tenho documentados aqui no blog, conseguir auxiliar cada vez mais meu mentores nos trabalhos do Alto, e parte da minha pesquisa tem sido em estudar a série de livros “O Reino das Sombras” de Robson Pinheiro. Acontece que, ao terminar minha leitura da noite, me preparei para dormir e ao fechar os meus olhos, mesmo estando no meu quarto, pude claramente avistar a minha sala e nela estava em pé o que parecia ser uma menina, aparentando ter 8 a 10 anos de idade com um vestido branco com manchas avermelhadas e escurecidas, seus olhos eram duros, sua expressão cerrada e uma aura escurecida  a envolvia.

Superando o susto inicial que me fez abrir os olhos em sobressalto, os fechei novamente e, novamente avistando o espírito que plasmava a menina, me dirigia a ela diretamente em pensamento: “Esta é uma casa de trabalhadores da Luz, não posso te impedir de ficar, mas todos que ficam aqui precisam estar em sintonia com o Alto, por isso, emanarei Luz para você!”

Com isso dito, passei a mentalizar uma coluna de energia a descer dos céus até o alto da minha cabeça, que é a localização do chacra coronário, fazendo com que esta energia descesse até dois dedos acima do centro do meu peito, que é onde sinto o meu chacra cardíaco, imaginando que esta Luz formava um enorme círculo de energia, lentamente aumentando de tamanho até que envolvesse toda a casa. Em meio a palavrões e gritos de dor, consegui notar a entidade se retirando às pressas da minha casa. Relaxei um pouco após isso, fiz algumas preces e me entreguei ao sono.

Horas depois desperto, desta vez projetado distante do meu corpo em um local que parecia uma mansão, grande mas completamente ausente de qualquer mobília, uma lareira no entanto, parecia queimar em um espaço que parecia ser uma sala de estar. De alguma forma eu sabia onde estava, era o covil do espírito que havia aparecido em casa, mas desta vez os papéis haviam se invertido, era eu quem havia ido lhe fazer uma visita.

Não demorou até que a menina aparecesse, desta vez ela não aparecia mais como uma menina, mas sim como uma boneca, vestindo as mesmas roupas. Eu não podia ver, mas sentia que o casarão estava completamente lotado de espíritos densos e que talvez a “boneca/menina” era a líder deles. Também pude sentir a clara satisfação da entidade em me receber naquele local através de seus olhos malévolos e sorriso duro, me dando a entender que esta era uma armadilha comum dela de roubo de energia de encarnados. Medo e raiva, são sentimentos que emanam as energias as quais espíritos obsessores mais desejam em suas atividades vampíricas.

Minhas experiências e leituras anteriores sobre projeção da consciência me permitiu possuir um certo controle delas uma vez que consiga tomar consciência, o que em si é muito difícil. Estando desta vez plenamente consciente, decidi por evitar o confronto e passei a me concentrar no meu corpo de forma a voltar a ele. Desta vez no entanto, a tática não deu certo, algo claramente me impedia de voltar ao corpo!

Enquanto tentava descobrir como o espírito denso conseguia fazer isso, uma intuição me veio à mente, que me dizia que não era o espírito quem me mantinha lá, mas sim os meus guias espirituais, eles esperavam que eu conseguisse superar o medo da entidade e que conseguisse de dentro de seu covil, emanar energias luminosas, auxiliando no desmantelamento daquele grupo e no resgate desta entidade que, apesar de naquele momento agir de forma maléfica, o Alto havia visto em seu íntimo a capacidade de se redimir.

A entidade não percebia o que acontecia em minha mente e prosseguia em uma sequência de desaparecimentos, reaparecimentos de supetão, empurrões e até o aparecimento de alguns de seus vassalos que estavam na sala naquele momento, também plasmados como bonecos que tentavam conversar comigo e me convencer de que eu deveria seguir pistas as quais eles me passavam, me prometendo que ao solucionar o segredo da casa, a “boneca” me libertaria, em um claro esforço de me desconcentrar da sintonia com o Alto e desta forma extrair mais energia densa com os sustos que haviam planejado a mim.

Ignorando os ardilosos convites das entidades, parei tudo o que estava fazendo, me concentrei e em voz alta passei naquele casarão a entoar a oração do Pai Nosso. As entidades perceberam o que eu estava fazendo e logo nas primeiras palavras eu sentia mãos invisíveis em um esforço desesperado de segurar a minha boca. O trecho “que está nos céus” foi quase ininteligível e sentia o desespero das entidades, pois ao mesmo tempo em que algumas das mãos tentavam segurar a minha boca fechada, algumas tentavam puxar os meus lábios e a minha língua, mas isso não parou o meu esforço. Consciente da necessidade do trabalho que ali se desenrolava, concentrei fortemente em meu chacra cardíaco de forma a emanar a mesma bola de Luz que havia feito em minha casa, para envolver todo o casarão.

Antes de eu chegar à metade do Pai Nosso já não sentia mais nada a me segurar, pelo contrário, era claro que as entidades fugiam e se escondiam! Eu exclamava alto pelos corredores da mansão: “Ei, você quem veio me visitar em casa! Eu vi aqui para de dar um abraço! É o meu passe favorito! Venha aqui! Não tenha medo!”

Procurei e procurei enquanto neste momento entoava a Ave Maria e na sequência o mantra Ohm Mani Padme Hum, não consegui mais encontrar nenhuma das entidades, só que sabia em meu íntimo que a parte do trabalho que eu havia sido escalado para fazer, parecia ter sido um sucesso! Pouco tempo depois, fui permitido a voltar ao meu quarto.

De volta em casa, mas não ao corpo

Meu espírito foi então encaminhado novamente à minha casa,  e em meu quarto, uma visão peculiar me aguardava. Minha esposa me esperava, sentada na cama, projetada, junto ao seu corpo físico que ainda descansava naquele momento e me disse: “Olha, preciso passar um recado pra você! Me pediram para não te esquecer de orar muito hoje!” Ao que eu respondi: “Obrigado, mas acho que já estava sabendo!”

Dito isso, ela imediatamente saiu pela janela para concluir seus vôos noturnos. Como um claro pagamento pelo trabalho feito, entrei então em um transe de descanso, com sonhos aleatórios até a chegada da manhã.

O trabalho não termina aqui

Meu trabalho daquele dia no entanto não havia acabado, acordava para uma manhã de Sábado e esta era uma manhã especial, a qual o centro de Umbanda o qual frequento havia marcado uma reunião de escola de médiuns, mas desatento às datas, havia também marcado um passeio com alguns amigos. Estava consciente que o trabalho desta madrugada deveria acabar com a minha ida ao centro já que a mim era claro que a entidade a qual havia lidado durante a madrugada estava naquele momento psiquicamente ligada à mim e eu precisaria “entregá-la” aos trabalhos da casa através da minha presença física.

Considerando que logo na segunda-feira iria ao centro, não dei tanta importância, me arrumei para o passeio, peguei o carro e segui em direção à estrada. O que eu não havia levado em consideração era que durante esta fatídica madrugada, havia chovido MUITO. Logo que cheguei no acesso da rodovia, percebi um bloqueio que ligava a um retorno que não dava outra alternativa se não seguir exatamente por onde eu havia vindo, como este trecho estava passando por reformas, acreditei que aquilo seria um simples caso de procurar um novo acesso e, não me dando por vencido, peguei um acesso que daria a um retorno 2 KM à frente de onde teria pego a estrada, onde lá finalmente encontrei um acesso à estrada no sentido que gostaria de ir. Andando os mesmos 2 KM que deveria me levar por baixo do acesso que havia tentado pegar anteriormente, uma fila de cones fechava a estrada principal! A fila de cones me levava à mesma rotatória que me dava acesso de volta para casa!

Não acreditei em tamanha coincidência e resolvi parar no acostamento e buscar na internet o que havia ocorrido. A notícia não deixava sombra de dúvidas: A chuva da madrugada havia alagado a rodovia e o acesso estava completamente bloqueado.

Finalmente me dando por vencido, voltei para casa e em algumas horas estaria saindo de novo em direção ao meu compromisso, aparentemente inadiável, no centro de Umbanda.

Acredito que este acontecimento me fez muito mais atento quanto à força das entidade obscuras, que visivelmente vão muito além dos simples espíritos sofredores, perdidos no caminho, os quais tanto se falam nos centros Espíritas e de Umbanda, mas também do seu nível de consciência e do prazer na maldade que causam. Tenho a certeza de que a entidade a qual travei o embate na madrugada de forma nenhuma era uma grande entidade como os Cientistas e Magos que o Robson Pinheiro tanto fala em seus livros, mas apenar um espírito zombeteiro, que tem um poder muito maior do que costumamos ter coragem de admitir em nossas reuniões mediúnicas.

Que esta história sirva como incentivo a tantos outros irmãos de fé em aumentarem seus estudos, dedicarem-se aos trabalhos do Alto e nunca terem medo! Não importa o que enfrentamos, não estamos sozinhos! Nunca! O alto jamais nos abandona e sempre está disposto a ajudar a aqueles que não se acovardam do trabalho!

Krishna

Krishna é o senhor da pele azul, a oitava encarnação do Deus Vishnu, parte integrante da trindade masculina hindu, Trimurti, integrada por Brahma, o criador, Vishnu, o mantenedor e Shiva, o renovador.

Amplamente conhecido por sua atuação na guerra que um dia dividiu a índia em uma guerra das duas principais tribos, os Pandavas e os Kurus, épico descrito em um dos maiores, em extensão , livros já escritos pela humanidade, o Mahabharata.

O pico de sua atuação no épico é dado em um trecho que é em si publicado separadamente, chamado de Bhagavad-Gita, a Canção do Senhor, onde, Krishna, sendo guia espiritual e conselheiro do príncipe guerreiro Arjuna, em meio a um momento de quase desistência da batalha de Arjuna, Krishna se revela em sua conexão divina e, relembrando Arjuna de seu dever, Dharma, em vencer a guerra para o bem da humanidade, em uma das primeiras vezes em um escrito conhecido pelo homem, conta a Arjuna da imortalidade do espírito, da força da reencarnação e da nossa jornada encarnatória em busca da iluminação.

Um dos livros mais belos escritos pelo homem e um profundo incentivador a aqueles enfraquecidos na senda espiritual.

Krishna é comumente reverenciado através do mantra Maha Mantra, onde nele é entoado seu nome e o nome de Rama de Ayodhya, considerada a sétima encarnação de Vishnu, que tem sua história contatar no também belíssimo épico Hindu, o Ramayana , em tradução livre, A Jornada de Rama, que é assunto para um próximo texto, o mantra entoa “Hare Krishna, Hare Krishna, Krishna Krishna, Hare Hare. Hare Rama, Hare Rama, Rama Rama, Hare Hare” em tradução livre “Salve Krishna, Salve Krishna, Krishna Krishna, Salve Salve. Salve Rama, Salve Rama, Rama Rama, Salve Salve”.

A Manifestação dos Chacras em Mim

Olá!

Por motivos familiares tive de ficar um tempo sem postar nada e, apesar de possuir muito material para passar a limpo, resolvi reiniciar os posts com um trabalho que montei sobre como venho sentindo cada vez mais presente em mim os meus chacras, ao ponto de quase senti-los fisicamente. Espero que aproveitem a informação!

Os chacras são pontos energéticos no corpo espiritual responsáveis pela nossa captação de energia tanto da terra (básico) quanto do universo (coronário). Nós na verdade temos um número incontável de chacras, mas a grande maioria da literatura sobre o assunto foca em 7 grandes chacras, básico, sexual, umbilical, cardíaco, laríngeo, frontal e coronário e é com foco nestes 7 que o trabalho abaixo foi desenvolvido. Se quiser saber mais sobre os chacras, tenho três livros a recomendar: Teoria dos Chacras, de Hiroshi MotoyamaOs Chakras, de C.W. Leadbeater e Viagem Espiritual, do autor brasileiro e amigo Wagner Borges.

O que vou documentar a seguir foram as formas, localizações e manifestações dos meus chacras, isso no entanto não quer dizer que onde você sentiu ou onde você leu que o correto posicionamento é está errado, muito pelo contrário, espero que na verdade você perceba que, assim como quando falamos de tantos assuntos nesta área, pequenas diferenças não devem ser recebidas com animosidade, mas sim com a visão de que, como é esperado, somos sim iguais, mas com pequenas diferenças que nos tornam únicos.

Abaixo segue o mapeamento dos exatos pontos onde senti a manifestação dos chacras:

Untitled presentation

Untitled presentation(1)

Untitled presentation(2)

Untitled presentation(3)

Untitled presentation(4)

Untitled presentation(5)

Untitled presentation(6)

Irradiações

Untitled presentation(7)

Untitled presentation(8)

Untitled presentation(9)

Untitled presentation(10)

Untitled presentation(11)

Untitled presentation(12).jpg

Fique com Deus!


Equipe Consciência Na Luz

A ciência sem religião é falha, a religião sem a ciência é cega

Olá Amigos!

O post dessa semana traz como tema essa célebre frase de Albert Einstein pois ela ilustra exatamente uma conversa que eu tive recebendo familiares em casa que, apesar de possuírem várias crenças, medos e certezas, quando trazida a discussão para um ambiente amigável e sem competição, conseguimos juntar conhecimento e evoluir juntos!

Eu me considero o que chamam de espiritualista, e faz parte da minha crença pessoal de que cada religião é como se fosse uma peça de uma construção. Cada uma contém um pedaço da história e elas, ao invés de negarem umas às outras, se completam.

A ciência também entra neste contexto, mas acredito que ao invés de uma simples peça, ela é como uma ferramenta de aferição da estrutura sendo montada, constantemente verificando a firmeza da base, questionando se a estrutura está sólida.

Essa base é importante para temática da conversa que tivemos, pois é sempre bom checar os seus conceitos, questioná-los e aí sim, podemos caminhar na evolução de nossa espiritualidade.

A discussão foi em cima do velho tema Criação X Evolução e o surgimento do Universo. Papo bom para um Domingo!

Nossa conversa caminhou para o que hoje tenho como a definição de Deus que mais me conforta e me dá uma bela explicação sobre nossa existência, que é a de que Deus é sim nosso criador assim como o criador de todas as coisas e, apesar de consciente o tempo todo de sua criação, por sermos a extensão dele, nós também somos criadores.

A bíblia fala sobre os sete dias de criação e, apesar de ser uma ótima explicação para que de alguma forma consigamos gerar algum parâmetro e não soubermos ao certo o tempo que se passou, o que sabemos do resultado de tantos cientistas hoje é que, de fato, o ato da criação jamais terminou. Não parece estar nem perto de seu fim.

Astrofísicos conseguem observar e medir diariamente as evidências de constantes expansões no Universo. Galáxias inteiras sendo criadas à partir de buracos negros que explodem em supernovas contribuindo para a contínua expansão de sóis, planetas sistemas solares! A força criativa de Deus é infinita e jamais parou! Pense sobre isso, é maravilhoso saber que o ato criativo de Deus não se manifestou a bilhões de anos atrás e parou. Não, seu ato de criação pulsa em todo o Universo. Neste mesmo momento criando constelações e só Ele sabe quantas vidas novas se criam a todo momento neste infinito Universo. Quantos novos irmãos universais ganhamos hoje? Será que um dia saberemos? Um pensamento que, apesar de um pouco assustador, com certeza é maravilhoso!

A força criativa de Deus no entanto não está somente à distâncias impressionantes de milhares de anos luz, não, ela corre livre em nossos próprios corpos! Já se imaginou simplesmente se sentar e nada mais fazer, criar, evoluir? O pensamento é horrível! Por isso o medo da morte! Não temos medo da dor em si, apesar de um pouco, mas tememos o fim da existência, toda nossa jornada em vão! Esse é o ponto em que a religião nos ajuda e é ótimo quem já teve o privilégio de sentir os toques espirituais em si, quanta certeza e motivação para a continuidade isso nos dá! A força criativa de Deus, que nunca se esvai de nós, nos faz sermos a extensão criativa dele! Daí a eterna motivação do homem de pesquisar, inventar e evoluir! Apesar de neste momento não estarmos em sintonia com a natureza, com a evolução tecnológica que vemos todos os dias, temos como duvidar que isso um dia ocorrerá?

Temos muito o que evoluir isso não nos deixa dúvidas! Mas temos de estar sempre conscientes que somos sim a extensão de Deus, ele nos influencia e nos guia diariamente! Estamos sempre com Ele!

Amém!

Medo de Cemitério

Quem tem medo de cemitério?

O que tem lá que te incomoda?

É ainda para você o fim da vida na carne um grande mistério?

Não se lembra que todas as noites sai de sua veste de carne?

Voando por aí livre somente em teu corpo etéreo.

Este campo que teme deveria ser celebrado!

Lugar este que devolvemos a mãe terra,  o presente a nós confiado.

Somos muito mais do que deixamos lá a descansar.

E assim que concluímos esta fase, nem devemos no invólucro pensar.

Isso também vale a nós que ficamos, não há nada ali para se chorar!

A pessoa que ama ainda vive, e onde estiver a pode sentir, não há nada ali no túmulo que precise buscar!

Da próxima ver que visitar o cemitério, não traga as suas tristezas, nem as leve com você.

Entre no lugar contente e emita Luz! Deseje a todos que partiram encontrar seu caminho!

Pois suas almas sempre reluzentes, jamais terra alguma há de comer!

 

Fiz esta pequena rima me lembrando de uma projeção da consciência que tive durante esta noite em que entrava junto com um amigo em um cemitério, notadamente para a doação de energia para auxílio aos trabalhos das entidades de Luz locais e enquanto fazíamos isso tentava acalmar ess emeu amigo de seu medo por cemitérios.

Fiquem todos na Luz!

Ego meu

Ego, ego meu, que me atrasa e que me cega ao caminho.

Quisera eu, em todo meu ego, ser como o Deus Hindu Shiva, em seu aspecto Nataraja no perfeito equilíbrio de seu ego, pisando sobre ele, representado como um anão, enquanto gira toda a nossa roda encarnatória, a Roda de Sansara!

Não, meu ego é como o Dragão do Senhor São Jorge! Mas muito diferente do mestre, não estou subjugando-o montado com meu cavalo branco, lança em mãos, apontado ao seu coração…

Não, sou como uma criança no escuro, tentando me esconder.

Quando não posso ver meu ego, ele mesmo está tapando meu olhos. Se enxergo o horizonte e não o avisto, está logo atrás de mim preparando seu bote.

Peço e imploro ao Senhor São Jorge que me guie nesta e em tantas outras vidas que ainda viverei até que consiga um dia obter o controle sob meu dragão.

Oro ao Senhor Shiva que olhe por mim em minha própria Roda de Sansara para que pouco a pouco eu ajuste meu caminho ao lado correto, quebrando pouco a pouco meu ego para que um dia Senhor, meu Dragão seja como o anão em seus pés!

Ohm Nama Shivaya!

Salve Senhor São Jorge, Guerreiro!

Amém!

Sobre os Orixás

É um desafio para nós compreendermos os Orixás. Não digo no sentido do que eles fazem, pois tanto em sentimento quanto em pesquisas que devem fazer parte de nossas tarefas como espíritos encarnados por aqui, desvendamos que eles nos guiam, nos acompanham e nutrem nossa espiritualidade para que saibamos nosso caminho e que percebamos os sinais quando nos desviamos dele.

Digo sim, no sentido de o porquê deles tanto ocuparem-se conosco, seres arrogantes, mentirosos e orgulhosos, que somente sabemos pedir sem ao menos nos lembrarmos de agradecer aos recebermos aquilo que tanto desejamos, mas sempre prontos a criticar e a cobrar nossos guias e orixás ao menor traço de sentirmos o gosto amargo da derrota ou da angústia de termos nosso ego quebrado.

A resposta na verdade é simples, sem no entanto deixar de ser grandiosa, o Amor. Estes maravilhosos trabalhadores da Luz conseguem ver além da casca que nós mesmos moldamos ao redor de nossa Luz e conseguem alcançar além de nossa aura escurecida e de nossos chacras bloqueados por sentimentos densos!

Eles somente veem a centelha divina do eterno que brilha como joia dentro de nosso chacras cardíacos, a mesma que há muito é louvada no mantra OHM MANI PADME HUM, que literalmente quer dizer “Salve a joia no Lótus!”. Sabem de nossa irmandade aos olhos do UM, assim como nossa unicidade e desempenham seu árduo trabalho com Amor e Dedicação, cumprindo com prazer a missão que lhes foi passado pelo Alto!

Salve a todos os Orixás! Salve as Sete linhas de Umbanda!

Saravá!

Projeção Astral: Carta aos irmãos encontrados no Umbral

Olá meus amigos-irmãos habitantes daquele lugar que visitei esta noite!

Me sinto triste pois no momento em que estava lá com vocês não tinha a minha lucidez, então não sei se consegui de alguma forma ajudar!

Lembrando deste lugar escuro, com luzes vermelhas e coloridas piscando, mas que no entanto não iluminavam o local escuro, dando a impressão de um lugar de busca de prazeres carnais e densos, fico me perguntando a quanto tempo vocês não sentem a Luz Divina…

Será que ao escrever aqui de alguma forma posso entrar em contato com vocês? Será que de alguma forma posso transferir a vocês a Luz que sinto agora passar no meu peito? Gostaria de ter estado lúcido aí com vocês, vocês não pareciam pessoas ruins, só talvez estavam aprisionados na densidade deste lugar!

Sei que em todos nós pulsamos a Luz e a centelha do UM! Sim, eu sei que o Amor ainda existe em seus corações! Vocês apenas não se lembram!

Que estas palavras cheguem até vocês para que percebam que há algo além dos simples prazeres da carne! Que o nosso senhor Jesus possa iluminar seus corações! Que o nosso Senhor Krishna possa invadir os seus corações, dançando dentro deles e quebrando as carapaças escuras como piche e transbordem seus corações com o Amor de Deus!

Que uma Luz ilumine o centro de seus chacras e os despertem à Lucidez! Que isso os façam vibrar em perfeita Paz e que sejam transportados docemente à superfícies mais sutis para a doce recepção de seus irmãos que tanto lhes esperam!

Recebam todo o amor de seu irmão!

Paz e Luz!


Equipe Consciência Na Luz

O TODO está em tudo.

O TODO está em tudo.

Muitos nomes já demos a Ele na intenção de entendê-lo: Tupã, A Presença, Javé, Deus, O Criador, Alá e tantos outros.

Até mesmo em nossa ignorância tentamos compará-los ou negar a existência de um em relação ao outro, mas o TODO nunca teve nome e sempre teve TODOS os nomes.

Não há nada que não seja o TODO pois se isso fosse verdade, o TODO não seria. Toda a existência, a vida e a morte, a Luz e a escuridão, são facetas do TODO, pois elas fazem parte e não podem existir fora dele.

Não conseguimos nos manter na Luz o tempo todo mesmo se tentarmos, insistirmos nisso só nos faz aumentar a ignorância. A escuridão leva a destruição, mas sem a destruição não há renovação e a renovação também faz parte do TODO.

Ele contém a Luz e a Escuridão e é o equilíbrio entre as duas forças, o Sattva, já diziam os Hindus.

Somos como os santos, demônios e Deuses, apenas facetas do TODO. Níveis de consciência e vibrações da mesma Mente Universal. Somos o TODO, tudo é o TODO, que está em tudo!